24 de agosto de 2018

Na Educação, antes dos governos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da presidenta Dilma Rousseff, o Maranhão contava com apenas cinco unidades de ensino tecnológico. Ao final dos governos do PT, o IFMA (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão) passou a ter 29 câmpus e o número de matrículas na rede federal de ensino técnico cresceu quase 5 vezes.

Os programas criados por Lula triplicaram o número de matrículas em cursos presenciais no estado: de 45,2 mil, em 2002, passamos para 148,9 mil, em 2015. O Programa Universidade para Todos (ProUni) e o Fundo de Financiamento Estudantil (FIES) deram a milhões de jovens a oportunidade de acessar o ensino superior. Até 2015, foram 41 mil beneficiados pelo Prouni e 46,7 mil alunos beneficiados pelo FIES. O programa Ciência sem Fronteiras, que beneficiou 1,1 mil alunos, permitiu que jovens pobres tivessem a oportunidade de estudar em outros países.

Em 2017, durante as caravanas Lula pelo Brasil, na passagem do ex-presidente pela cidade de Timon, Lula recebeu o título de Cidadão Timonense. Durante o ato que reuniu milhares de pessoas, a estudante Carla Patrícia, que pôde fazer mestrado e doutorado no exterior graças ao Ciência Sem Fronteiras, agradeceu a Lula pelos investimentos em educação, prioridade dos governos petistas. “A educação é base de tudo. Tudo passa pela educação: médicos, juízes, doutores. Muitas pessoas humildes como eu puderam estudar graças aos programas sociais do presidente Lula”.

O atual governador do Maranhão, Flávio Dino, do PCdoB, partido que integra a coligação Lula presidente, fez como Lula e seu candidato a vice, Fernando Haddad, ex-ministro da educação de Lula, e tratou a educação como prioridade. Dino abriu 1.500 vagas para professores e elevou a remuneração a quase R$ 5 mil, umas das maiores do país.

Em 2019, Lula retomará a expansão de matrículas no ensino superior e nos ensinos técnico e profissional. O Plano Lula de Governo propõe criar o programa Ensino Médio Federal que transformará as escolas em espaços de investigação e criação cultural e em polos de conhecimento, esporte e lazer, garantindo educação integral.