28 de agosto de 2018

Não basta impedirem ilegalmente o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, líder absoluto em todas as pesquisas de intenção de voto, de participar de debates, sabatinas e gravar entrevistas, contrariando determinação da ONU. O medo que os adversários têm das ideias de Lula é grande o suficiente para que eles se dediquem a tentar calar também Fernando Haddad, porta-voz do ex-presidente e vice em sua chapa, impedindo-o de participar de sabatinas já agendadas.

No próximo dia 30, Fernando Haddad participaria da rodada de sabatinas com os presidenciáveis promovida pelo Estado de S. Paulo, em conjunto com a Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP). Nas palavras do próprio Estadão, em matéria publicada no último dia 25, “candidato a vice na chapa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Haddad será o representante da campanha do PT na série de sabatinas”. No entanto, a manifestação de Marina Silva (Rede) fez com que a participação de Haddad fosse cancelada.

Sistematicamente, os adversários de Lula na corrida presidencial se opõem à participação de Haddad em debates e sabatinas, com exceção de Guilherme Boulos (PSOL). O medo do confronto de ideias cara a cara já fez com que Bolsonaro, Marina, Ciro, Alckmin e Meirelles exigissem até a retirada de púlpito vazio que seria destinado a Lula no debate da TV Gazeta.

Para tentar derrotar Lula, eles querem calar Haddad, voz e pernas de Lula pelo Brasil. Querem apagar qualquer traço possível de que Lula é candidato, na esperança vã de que o povo se esqueça do melhor presidente da história do país. Não conseguirão.