17 de março de 2022

O gabinete do ódio tem requentado antigas mentiras para tentar se aproveitar das notícias do momento. Voltou a rodar publicação falsa que apresenta como “filho do Lula” um homem dirigindo um carro de luxo e fazendo piada sobre o preço da gasolina. O vídeo é mais uma falsificação para enganar o povo. No vídeo, o homem de dentro do carro prevê gasolina a R$ 6 com Dilma Rousseff: errou o presidente e jogou para baixo o valor do litro da gasolina. Com Bolsonaro no poder, o preço médio da gasolina chega a R$ 7,50.

A história que voltou a circular, por conta do aumento abusivo nos preços dos combustíveis, é mais uma falsa notícia à moda bolsonarista.

Na campanha presidencial de 2018, o vídeo também foi usado no kit de notícias falsas das milícias digitais do então candidato Jair Bolsonaro. Segundo levantamento do Projeto Comprova, a postagem original é de 2015 e não tem absolutamente nada a ver com ninguém da família do ex-presidente Lula.

Confira o desmentido exibido pela *V Bandeirantes em 2018:

Alguns fatos deixam a mentira veiculada pelas redes sociais mais escancarada:

  • Na gravação, o motorista, que afirma estar dirigindo um Camaro, diz não se importar com o preço da gasolina, a R$ 4,00 (preço de 2015);
  • O homem afirma ironicamente “obrigado, Dilma!”, e não fazer qualquer referência ao atual presidente, Jair Bolsonaro;
  • O motorista tem claro sotaque gaúcho e afirma no vídeo que acabou de abastecer em Gravataí (RS). Nenhum dos quatro filhos homens de Lula mora fora do estado de São Paulo;
  • Além disso, ele diz ironicamente que a situação irá melhorar quando a gasolina chegar a R$ 6,00. O preço atual do litro do combustível já gira em torno dos R$ 7,50;
  • O homem do vídeo não tem nenhuma semelhança com nenhum dos filhos do ex-presidente — Marcos Cláudio, Fábio Luís, Luís Cláudio e Sandro Luís. É interessante perceber que o nome deles não é mencionado na postagem, justamente para não serem feitas comparações.

Bolsonaro foge da responsabilidade

A escalada de preços da gasolina e do diesel é, sem dúvida, o maior vilão do bolso do trabalhador brasileiro, e a culpa é do (des)governo de Bolsonaro, que usa fake news como a de cima para fugir da responsabilidade pela política de preços da Petrobras. Na última semana, o brasileiro foi surpreendido com um novo reajuste no preço dos combustíveis. Em alguns estados, o litro da gasolina já ultrapassa os R$ 10.

No primeiro ano do governo de Jair Bolsonaro, compravam-se 232 litros de gasolina com o salário mínimo de R$ 998. O litro do combustível custava R$ 4,30. Hoje, com a política desastrosa do presidente, o salário de R$ 1.212 só consegue bancar 161 litros. Desde que Bolsonaro assumiu, a gasolina já aumentou 75%. 

O preço dos combustíveis tem impacto direto na vida de todos os brasileiros: os preços dos alimentos nos supermercados são determinados pelo valor do frete do transporte até as prateleiras. O Brasil de Bolsonaro sente a inflação de dois dígitos pesar no bolso e no estômago de seus cidadãos, e parte da responsabilidade é do preço absurdo da gasolina, consequência da dolarização.

Sem resposta ou competência para resolver esta crise, Bolsonaro se esconde atrás de velhas mentiras. .