23 de julho de 2021

A fome e a insegurança alimentar voltam a assolar o país, e o consumo de carne bovina é o menor em 12 anos. Alta recorde no preço de carne, frango, ovos e carne suína, combinados a uma alta da inflação de 8,35% nos últimos 12 meses contribuem para o cenário de caos, com pessoas nas filas para receber doação de ossos e se desesperando ao tentar comprar comida nos supermercados. Enquanto isso, Jair Bolsonaro se dedica a espalhar mentiras sobre um suposto “milagre” no crescimento do PIB.

Segundo dados de 2020 compilados pela Abiec (Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne), o consumo de carne bovina é o menor em 12 anos no Brasil. É o quarto ano de queda seguido O consumo diminuiu 5% no último ano. Enquanto isso, o Brasil é o maior exportador individual de carne bovina do mundo. Situação muito diferente do que aquela vivida pela população durante os governos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva: entre 2002 e 2010, o consumo de carne teve alta de R$ 500 bilhões.

Se a ação do governo Bolsonaro seguir seu curso, o cenário tende a piorar – a previsão da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) para 2021 é que os brasileiros consumam a menor quantidade de carne de vaca em 25 anos. O pior é que ovos, frango e carne de porco, substitutivos aos quais os brasileiros estavam recorrendo, deverão ficar até 50% mais caros. Toda essa alta de preços se deve aos altos custos de produção e à inflação no preço dos insumos. Sem políticas que priorizem os mais pobres, o prejuízo será repassado integralmente ao povo brasileiro.

Os últimos dados do IPCA, de junho, indicam uma alta de 8,35% nos preços nos últimos 12 meses. E o impacto da inflação nos alimentos é sentida profundamente, principalmente entre os mais pobres. Segundo pesquisa da Exame Ideia, 86% dos entrevistados sentiram uma maior alta dos preços em alimentos e bebidas, enquanto 63% tiveram de mudar seus hábitos de consumo de alimentos por causa da inflação em 2021.

Enquanto isso, o presidente se preocupa em alardear um mentiroso “milagre” de crescimento do PIB: em entrevista nesta quarta (21), Bolsonaro disse que a projeção é de aumento de 9% no PIB desde 2020. É lógico que é mentira, demonstrada em sua própria fala: ele somou o PIB negativo de 4% em 2020 com a projeção (não confirmada) de crescimento de 5% esse ano. No melhor dos cenário, a economia mal terá se recuperado, com crescimento de 1% no biênio.

Bolsonaro não tem compromisso nem com a verdade, nem com o combate à fome, muito menos com os brasileiros.