30 de novembro de 2021

Em entrevista para Rádio Gaúcha, do Rio Grande do Sul, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse, nesta terça-feira, que a marca dos governos do PT é a maior política de inclusão social da história desse país, além de ter feito a maior geração de emprego e deixado a maior reserva de recursos para garantir a estabilidade financeira do país. Lula foi questionado sobre corrupção e lembrou que seu governo foi o que mais a combateu, criando instrumentos e órgãos para melhorar o controle social.

O ex-presidente citou a estruturação da Controladoria-Geral da União (CGU), em 2003, logo no primeiro ano de seu governo, e também a criação Portal da Transparência e da Lei de Acesso à Informação (LAI), garantindo ao cidadão o direito às informações públicas da União, estados e municípios, inclusive aos Tribunais de Conta e Ministério Público.

 “O que nós fizemos com a Controladoria Geral, a Lei da Transparência, a Lei do Acesso à Informação, a regulamentação da deleção… Nós criamos todos os instrumentos para fazer com que qualquer pessoa que praticasse corrupção seja investigada”, afirmou. “Eu dizia, quando era presidente, que só tem um jeito de você não ser molestado, é ser honesto. E isso continua. A marca do PT é a maior política de inclusão social da história desse país, a maior geração de emprego da história desse país, a maior reserva internacional”, disse.

Na entrevista, Lula também lembrou que foi preso injustamente em 2018, quando estava em primeiro lugar nas pesquisas, enquanto Bolsonaro era eleito presidente. “Eu estava preso quando a ONU, em Genebra, autorizou que eu pudesse ser candidato a presidente. Eu sozinho tinha mais votos do que todos os outros. Me prenderam para me tirar das eleições ”, lembrou o ex-presidente, ressaltando que, após as eleições de 2018, lhe foi oferecido um acordo para que ficasse preso em casa. “Eu disse não aceito. Não faço negócio com a minha dignidade. Dignidade é uma coisa que a gente não compra, a gente nasce com ela e cria no processe de vida. Por isso é que estou aqui, agora, livre e solto, sem nenhum processo. A causa que fui condenado foi um ato indeterminado”. Lula, porém, disse que quer conversar com o povo sobre os problemas do país. “Eu quero dizer ao povo brasileiro que nós seremos capazes de restabelecer a dignidade nesse país, o emprego nesse país, as universidades. Quero provar que é possível cuidar do povo”. O ex-presidente disse que nesta eleição tem muita gente querendo discutir o novo. Mas o problema é que, com o retrocesso na economia, “o novo agora é resolver os problemas velhos desse país”.

Leia também:

Assista à entrevista: