17 de outubro de 2018

Em 2017, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva esteve em Santa Maria, no Rio Grande do Sul, visitando o bairro de Nova Santa Marta, antiga ocupação que foi urbanizada com obras do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC).

Falando a uma multidão, Lula enumerou uma série de motivos pelos quais os golpistas não querem a volta do PT para governar o país. “Eles têm medo que a gente possa voltar e provar que esse país pode ser feliz, que a autoestima seja recuperada, que volte a ter emprego, que a gente retome a indústria naval. Estão destruindo tudo, entregando o petróleo que é nosso para as empresas multinacionais. Até a Embraer está sendo vendida para a Boeing”.

E os motivos foram sendo expostos um a um:

“Eles não querem que a gente volte porque, durante 12 anos, o salário mínimo aumentou neste país conforme o PIB e a inflação.

Não querem que a gente volte porque, durante 12 anos, todas as categorias organizadas de trabalhadores receberam aumento real de salário.

Não querem que a gente volte porque criamos o Prouni e colocamos o filho do pobre nas universidades.

Colocamos mais jovens na universidade em quatro anos do que eles colocaram a vida inteira, nós aprovamos as cotas para que meninos e meninas negras pudessem entrar na universidade.

Eles não querem que a gente volte porque, pela primeira vez, o filho do pedreiro pode entrar na universidade e virar doutor.

Não querem que a gente volte porque o pobre passou a ter direito de comer filé, ter carro, televisão, celular.

Não querem que o povo aprenda a ter cidadania, a andar de cabeça erguida. A vida inteira eles acharam que pobre gosta de se vestir mal, andar mal”.

Haddad vai recuperar o tempo em que o salário mínimo tinha aumento real, em que o filho de pedreiro virava doutor, em que pobre andava de avião e comia filé.