01 de setembro de 2021

Na campanha de 2018, Jair Bolsonaro, que venceu com base em mentiras e fake news, apostou em Paulo Guedes, um homem do mercado financeiro, como seu menino de ouro. Guedes teve grande peso na eleição do presidente. No entanto, 3 anos depois, nem o mercado financeiro acredita mais que seu “Golden Boy” tem condições de salvar o Brasil.

Nesta semana, a Faria Lima, reduto do mercado financeiro em São Paulo, amanheceu repleta de lambe-lambes estampando o rosto de Guedes com a frase “Faria loser” (perdedor). Com a economia em frangalhos, a inflação galopante e o desemprego que já atinge mais de 14 milhões de brasileiros, a imagem do “superministro” tem piorado cada vez mais.

E ele não se ajuda. Guedes ficou conhecido por suas declarações equivocadas, estapafúrdias e preconceituosas, para se dizer o mínimo, quando trata da realidade brasileira. Nas redes, ele ganhou o apelido de Caco Antibes, antigo personagem do programa Sai de Baixo, TV Globo, que “tinha horror a pobre”. Veja abaixo 11 pérolas do “superministro”.

  1. Na semana passada, após anunciar mais um aumento na conta de luz, o ministro perguntou:  “Qual o problema de a energia ficar um pouco mais cara?”, mostrando sua total alienação da realidade brasileira. Vale dizer que, para 2022, a proposta de salário mínimo feita pela equipe econômica do governo é de apenas R$ 1.169, sem aumento real mais uma vez. Para piorar, na noite de ontem (31) o governo anunciou nova bandeira tarifária, ainda mais alta. A conta de luz pode ficar até 58% mais cara.

2. Em 2019, Guedes reclamou que os pobres não poupam e os ricos carregam tudo nas costas. Guedes deveria oferecer aulas de mágica para ensinar como poupar estando desempregadoo, ou usando um salário mínimo pagando o gás a mais de R$ 100, a conta de energia que não para de subir e os alimentos com alta recorde.

3. Ignorando totalmente a existência do agronegócio, do desmatamento e do garimpo recorde, Paulo Guedes declara em Davos que os pobres são responsáveis pela destruição do meio ambiente

4. Aqui, Paulo Guedes fica feliz por ter acabado com essa farra dos governos petistas de deixar o pobre viajar para fora do país. Enquanto Lula levou os pobres para o aeroporto, Bolsonaro trouxe o preço de aeroporto pro bolso dos pobres.

5. Mais uma vez, a culpa é dos pobres que insistem em comer.

6. Equipe de Paulo Guedes propõe acabar com isenção tributária de livros porque, para eles, os pobres não leem. A visão do governo Bolsonaro: luz para poucos, universidade para poucos, comida para poucos.

7. Esse negócio de pobre querer viver mais não deixa a economia avançar

8. Mais uma vez, acabando com a farra petista de universalizar o acesso à educação

9. Não tem pão? Que comam restos. “Flexibilizar a data de validade”, na língua de Paulo Guedes, é sinônimo de comer comida podre. Mais uma prova de que a saúde é uma questão desprezível para esse governo, o que já sabíamos pela condução criminosa da pandemia

10. Paulo Guedes também disse que as pessoas agradecem quando ele entra no supermercado. Difícil de acreditar nisso quando o preço do arroz aumentou 37,5% e a carne 32,69%

11. E , pra fechar com chave de ouro, o ministro acha que não há descontrole da inflação.

As declarações do ministro são tão inacreditáveis que o Buzzfeed fez uma teste: adivinhe se essas declarações são do ministro Paulo Guedes ou do personagem Caco Antibes. Seria cômico, se não fosse trágico.