22 de outubro de 2016

Para o ex-presidente Lula, a pirotecnia atrapalha o trabalho sério de investigação que precisa ser feito. Ele criticou também o acordo entre setores do judiciário e a imprensa e disse que não é inteligente um funcionário público dizer que para condenar alguém ele precisa da ajuda da imprensa: “Não sejam reféns da imprensa”.

Lula disse ainda que o país não vai suportar essa mentira por muito tempo e lembrou que, para fazer o Brasil ser um país respeitado no mundo, ele também soube respeitar.

“Uma pessoa que faz a acusação que está sendo feita contra mim, no fundo no fundo pensa que se ele próprio estivesse no meu lugar, ele faria o que pensa que eu fiz.

Essas pessoas não sabem o que é um ser humano fazer um esforço imenso para ser respeitado no mundo. Eu tinha consciência de que eu não podia errar. A única coisa que eu acredito no mundo é que para as pessoas me respeitarem, eu tenho que ser sério com as pessoas. 

Então eu não posso admitir tamanha leviandade. Não posso. Possivelmente, se eles estivessem no meu lugar estariam fazendo o que eles pensam que eu fiz. Eu digo o seguinte, a minha vida foi investigada na campanha de 82, na de 86, na de 89, na de 94, na de 98, na de 2002, na de 2006, na de 2010 com a Dilma, na de 2014 e continuam investigando. No dia em que acharem alguma coisa, por favor, denunciem. Agora, se não acharem, parem. E comecem a fazer coisa séria neste país. Não sejam reféns da imprensa. Vocês têm estabilidade no emprego não é pra serem reféns da imprensa. 

Porque é pouco inteligente alguém dizer: `pra eu condenar alguém, eu preciso da imprensa`.

Eu quero saber se você investigou, se você tem prova, se você encontrou uma conta, ou alguma coisa. Se você não fez isso, pare, pense e mude de comportamento. O Brasil não suporta mentira por muito tempo. Isso está prejudicando o país, está prejudicando a imagem do Brasil lá fora, está prejudicando a credibilidade deste país, que tinha muita credibilidade. Eu tive a honra e o prazer de presidir este país quando o país passou a ser um país com perspectiva de ser a quinta economia do mundo, de ser admirado e respeitado dos Estados Unidos à China, da Alemanha à Argentina, ao Chile. Porque eu queria ser respeitado e respeitava todo mundo. Portanto é o seguinte: me respeitem. Me respeitem para que eu possa respeitar vocês.”