27 de setembro de 2018

Durante os governos federais do Partido dos Trabalhadores, foram criados 1 milhão de empregos com carteira assinada no Rio Grande do Sul, um crescimento de 49,6%, entre 2003 e 2016.

Esse cenário é bem diferente do visto hoje, em que há 494 mil pessoas desocupadas e outras 85 mil desalentadas (ou seja, pessoas que já perderam a esperança de encontrar emprego). Os números fazem parte da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), divulgada em agosto.

Em seu governo, Fernando Haddad irá voltar a promover crescimento econômico com inclusão social, gerando emprego e aumentando a renda dos brasileiros. Em seu Plano de Governo, programas como o Meu Emprego de Novo vão gerar novos postos de trabalho com a retomada das mais de 2800 obras paradas ao redor do país e com o retorno dos investimentos da Petrobras. Além disso, o Imposto de Renda Justo irá isentar do IR todos aqueles que ganham até 5 salários mínimos, e a reforma bancária e o programa Dívida Zero irão ampliar o crédito e diminuir os juros.

Como não há crescimento sem investimento, Haddad vai acabar com o legado do governo golpista, revogando a EC-95, que congela investimentos em educação e saúde por vinte anos, e a Reforma Trabalhista.