28 de agosto de 2018

Em visita ao estaleiro Aliança, em Niterói (RJ), nesta terça-feira (28/08), o porta-voz de Luiz Inácio Lula da Silva e candidato a vice em sua chapa, Fernando Haddad, afirmou que o desmonte promovido pelo governo ilegítimo de Temer e do PSDB na indústria naval brasileira é responsável por milhares de desempregados no setor e pode significar o fim dos estaleiros no país. “Uma comunidade inteira desempregada por causa de uma lei, que dispensa o componente nacional e acabou exportando os empregos para a Ásia. Lá estão sendo feitos navios e plataformas. É devastador”.

A crise instalada na indústria naval se deve à mudança na legislação, que diminuiu a porcentagem de conteúdo nacional obrigatório na indústria petrolífera, aliada à mudança na tributação, que baixou alíquotas de importação e facilitou que navios e plataformas sejam comprados no exterior. Desde a descoberta do Pré-Sal, a porcentagem mínima de conteúdo nacional era de 65% na primeira fase e de 70% na segunda etapa do programa. Na prática, isso significava que, a cada R$ 100 aportados na construção de um navio, R$ 65 tinham que ser gastos, obrigatoriamente, no Brasil. Temer baixou para 40% e agora quer diminuir para 20% esse percentual, segundo Haddad. “Se continuar essa política, será o fim dos estaleiros. Até 2020, não haverá um emprego em estaleiro no país”.

Haddad ressaltou a importância do marco legal da Petrobras. “Com a Petrobras, você centraliza as encomendas e cria indústria. Ou terceiriza e os empregos vão pra fora. É toda uma estrutura de mercado que estamos perdendo. Não é só um estaleiro”, disse.

O candidato a vice lembrou que o Brasil tinha uma das maiores indústrias navais do mundo graças aos investimentos dos governos do PT, incluindo a descoberta do Pré-Sal. O país poderia estar hoje exportando navio e plataforma. “Mas não. Deram o golpe na Dilma para deixar empresas estrangeiras explorarem nossa riqueza sem dar satisfação. Desmontaram um paraíso de empregos, oportunidades e educação”.

O ex-ministro da Educação de Lula disse que a maior revolução que o povo pode fazer é apertar na urna o número certo. “No dia 7 de outubro, o povo tem um candidato testado e aprovado, um time testado e aprovado, para retomar o país para o povo. Então, é Marcia Tiburi 13, é Lula 13. Vamos ganhar para retomar o Brasil. Nós já governamos, sabemos como faz. Lula tem 50 anos de estrada. Reviraram a vida dele e não acharam nada. Armaram pro cara não ser candidato. Se a gente batalhar, a gente ganha a eleição, o Lula sobe a rampa do Planalto e o Brasil vai ser feliz de novo”.

Na visita também estavam presentes a candidata do PT ao governo do Rio, Marcia Tiburi, as deputadas federais Jandira Feghali (PCdoB) e Benedita da Silva (PT) e o presidente do PT do Rio, Washington Quaquá. Marcia Tiburi afirmou também que, na época de Lula, o país tinha emprego e desenvolvimento econômico para todas as classes. “Essa comparação, as pessoas estão fazendo. Agora, não tem mais salário e não tem emprego”.