14 de setembro de 2018

“Vitórias do passado recente trazem inspiração, como aqui no Brasil. Um século atrás, o Brasil foi reconhecido como o potencial colosso do sul. Esse objetivo estava sendo alcançado há alguns anos, quando o Brasil se tornou o país mais respeitado do mundo, com Lula presidente e Celso Amorim ministro, o que é uma indicação de que não se deve subestimar a capacidade de superação de obstáculos e a capacidade do espirito humano para se reerguer”. A afirmação é de Noam Chomsky, professor emérito em linguística do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, um dos convidados do seminário internacional “Ameaças à democracia e à Ordem Multipolar”, realizado pela Fundação Perseu Abramo, que acontece nesta sexta-feira (14), em São Paulo.

Ao abrir sua intervenção no seminário, Chomsky, um dos escritores e filósofos mais importantes no mundo na atualidade, afirmou, em referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que “todos nós estamos pensando no problema da democracia no Brasil. Não podemos deixar de pensar na pessoa que, por direito, deveria ser candidato à presidência do Brasil”.

O linguista se mostrou preocupado com o avanço da extrema-direita no mundo. “Existe uma preocupação considerável sobre o estado da democracia em boa parte do mundo”. Chomky apontou que um dos fatores de crescimento da extrema-direita no mundo são as políticas neoliberais, que deixam pessoas de fora de políticas econômicas e sociais e as transforma em bodes expiatórios.