01 de outubro de 2018

Um dos temas abordados no debate da Rede Record foi sobre o sistema de comunicação. O plano de governo do candidato da coligação “O povo feliz de novo”, Fernando Haddad (PT), prevê mais democracia na comunicação social e eletrônica. A proposta é concretizar os princípios da Constituição Federal para democratizar amplamente a comunicação social e impedir que beneficiários das concessões públicas e controladores das novas mídias restrinjam o pluralismo e a diversidade.

Em linha com o artigo 220 da CF, deve-se impedir monopólios e oligopólios diretos e indiretos, bem como impor limites à concentração dentro do mesmo mercado por meio de restrições à propriedade cruzada (controle de diferentes mídias) e à integração vertical (controle de diferentes atividades da mesma cadeia de valor), bem como vedação de toda e qualquer censura pública ou privada de natureza política, ideológica e artística; é preciso proibir também que os agentes políticos e seus familiares sejam detentores de concessões, e, ainda, fomentar a produção de conteúdos locais e regionais.

O monitoramento e aplicação dos princípios constitucionais deve se dar por meio de um órgão regulador com composição plural e supervisão da sociedade para evitar sua captura por qualquer tipo de interesse particular. O novo marco regulatório deverá levar em conta o cenário de convergência efetiva das comunicações, que transforma o controle econômico do setor em uma batalha global, na qual tempo de audiência e verba de publicidade são disputados por velhos e novos atores. Nesse contexto, regulação e políticas para o setor devem garantir a soberania econômica, cultural e política nas comunicações.

Direito à comunicação
O direito à comunicação tem sido constantemente violado no Brasil. Todas as democracias consolidadas do mundo estabelecem mecanismos de regulação democrática como forma de apoiar o amplo exercício do direito humano à comunicação. As comunicações devem ser livres da ação de controle das autoridades e governantes, impedindo toda e qualquer tipo de censura, mas também da dominação de alguns poucos grupos econômicos. A liberdade de imprensa é fundamental; o pluralismo e o acesso a fontes diversificadas e independentes de informação também são essenciais em uma sociedade verdadeiramente democrática. Ademais, é preciso superar o anacronismo da legislação de 1962 que dispõe sobre rádio e TV.

O governo Haddad também dará especial atenção à implementação da recém-aprovada Lei de Proteção de Dados Pessoais, inclusive à efetiva implantação da autoridade nela prevista e à consolidação prática do Marco Civil da Internet enquanto fundamento legal da jurisdição brasileira sobre as atividades na internet em território nacional, sendo assegurada a neutralidade da rede. Serão ainda fomentadas pesquisas e realizados investimentos em inovação que ampliem a presença de empreendedores brasileiros na Internet.

Veja mais:

“O Brasil está precisando discutir o futuro”, diz Haddad antes do debate da Record

#DebatenaRecord: pessoas com deficiência e idosos

#DebatenaRecord: retomar as obras e gerar emprego é meta de Haddad

#DebatenaRecord mostra a cara de quem apoia desemprego e menos trabalho

#DebatenaRecord: educação superior e Fundeb

#HaddadnaRecord: “Gostaria que todo brasileiro tivesse um livro em uma mão e uma carteira de trabalho assinada na outra”

#DebatenaRecord: sucesso do Bolsa Família é inquestionável

“Para mim, tudo se resolve pelo voto e pela soberania popular”, enfatizou #HaddadnaRecorde

#DebatenaRecord: Haddad vai revogar as reformas arbitrárias de Temer apoiadas pelos golpistas

#DebatenaRecord: Proposta de Haddad é isentar do imposto de renda quem ganha até 5 salários mínimos