11 de fevereiro de 2022

O deputado estadual bolsonarista Kennnedy Nunes (PTB-SC) divulgou um vídeo falso que foi adulterado para inventar uma fala do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) que não corresponde à realidade. A ideia é atacar a imagem de Lula junto à parcela religiosa da população. A versão fake, divulgada no ataque do parlamentar, dá a entender que Lula pretende limitar a atuação política de padres e pastores.

Trata-se de edição maliciosa de áudio de vídeo de coletiva de imprensa de lideranças do PT na cidade de Natal (RN). Como pode ser visto a partir dos 48’36’’ da transmissão, Lula na verdade defende que as Forças Armadas não participem de disputa política, já que são uma instituição de Estado encarregada de garantir a soberania do Brasil e o bem estar dos brasileiros. Confira:

“Eu estou conversando com quem é das Forças Armadas, eu estou conversando com quem é do Ministério Público, eu estou conversando com quem é da Polícia Federal, eu estou conversando com quem é Pastor, com quem é Padre, com quem é ateu. Eu vou conversar com todo mundo enquanto povo brasileiro e enquanto eleitores. Se eu ganhar as eleições, aí eu vou conversar com os Militares como chefe das Forças Armadas, como chefe suprem, para dizer qual é o papel deles. Não é se intrometer na política, por que isso não está certo. Nem hoje, nem de ontem e nem antes de ontem. Eles têm de entender que têm um papel importante na defesa da soberania brasileira e na defesa do bem estar do povo brasileiro”.

O pronunciamento atendia a uma pergunta de um jornalista sobre a escolha de um possível candidato a vice, se Lula for candidato a presidente, e sobre a construção de uma aliança política. Confira a comparação entre os dois vídeos:

O vídeo foi adulterado como parte de mais uma das fake news religiosas que buscam desgastar a imagem do presidente Lula com o eleitorado evangélico.

Bolsonarismo radical

O deputado estadual Kennedy Nunes (PTB-SC) é correligionário de Roberto Jefferson e Daniel Silveira, ambos do PTB do Rio de Janeiro. Os dois aliados de Bolsonaro foram presos no ano passado em meio a inquéritos que investigam as milícias digitais, grupos que promovem atos antidemocráticos e propagam notícias falsas na internet.

Este núcleo radical do bolsonarismo tem se destacado no ataque ao presidente Lula. Recentemente, o vereador de Natal Coronel Azevedo (PSC-RN), ligado ao mesmo grupo, espalhou notícias falsas sobre a transposição do rio São Francisco.

Mentiras sobre religião

A máquina de fake news bolsonarista segue funcionando a todo vapor em 2022. Em apenas quarenta dias, já foram inventadas e requentadas diversas mentiras sobre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que incluem desde passeios mentirosos em lanchas milionárias inexistentes até vídeos fakes simulando “pacto com o demônio”. As fake news religiosas, aliás, estão em alta nesse ano: começou a circular tuíte falso afirmando que Lula supostamente atacaria igrejas e diria que quer cortar benefícios religiosos.

Desesperados com os resultados das pesquisas, em que Lula empata com Bolsonaro no segmento evangélico, o gabinete do ódio partiu para cima do petista. Não há um dia que não divulguem uma mentira, sobretudo envolvendo religiosidade.

A infestação de fake news escancara como Jair Bolsonaro (PL) usa a máquina do ódio para mentir sobre o presidente Lula.