18 de setembro de 2018

Gerar empregos, fortalecer políticas públicas para mulheres e ampliar o ensino médio foram pontos destacados por Fernando Haddad (PT), candidato à presidência da República, em entrevista à rádio Campeche, de Florianópolis (SC), nesta terça-feira (18/9). Ao longo do dia, Haddad visitará o estado de Santa Catarina, encontrará com pescadores em Itajaí e, à tarde, participará de ato no centro de Florianópolis.

Perguntado sobre como pretende reativar a economia do país, o candidato destacou a necessidade de aumentar a renda da classe média e da classe trabalhadora, explicando que quanto mais renda, mais consumo, mais demanda e, assim, os empresários voltarão a contratar.

Um outro ponto será a queda de juros para o tomador, explicou Haddad. “Com juros menores, os empresários poderão voltar a investir”. Um terceiro aspecto enumerado será a retomada de obras paradas. Segundo ele, a ideia é dar continuidade às obras para não perder o dinheiro já investido e, com a injeção de mais recursos para seu término, elas ajudarão a reativar a economia parada.

Sobre o aumento dos casos de violência contra as mulheres no país e, em especial de feminicídios, Haddad explicou que irá fortalecer as políticas públicas voltadas às mulheres e que o acompanhamento das vítimas após a denúncia precisa ser aprimorado. “Depois que a mulher sofre e denuncia a violência, ela passa a sofrer ameaças, o que a inibe de voltar a denunciar. A ideia é fazer um acompanhamento dessa mulher, conversando com os vizinhos, com os filhos, para saber se de fato a violência acabou”, disse Haddad.

Com relação ao ensino médio, Haddad destacou que o currículo precisa dialogar também com assuntos que dizem respeito diretamente à juventude, como gravidez, drogas, respeito à diversidade, afirmação da mulher, entre tantos outros. Nesse sentido, ele enfatizou que é preciso uma ampla reforma do ensino médio, com participação social e diálogo com os diversos setores da sociedade.

Haddad falou sobre o fortalecimento do SUS – Sistema Único de Saúde – que está previsto em seu plano de governo, e finalizou argumentando que trabalho e educação são a saída da crise “para retomarmos o Brasil que deu certo”.