14 de setembro de 2018

Em entrevista ao Jornal Nacional, Fernando Haddad mostrou por que foi o escolhido pelo ex-presidente Lula para ser candidato à presidência da República em seu lugar: enfrentou com altivez cada um dos seguidos ataques e interrupções de William Bonner e Renata Vasconcellos. Haddad respondeu a todas as acusações infundadas da dupla de jornalistas, denunciou que a Globo é investigada em uma série de inquéritos e conseguiu demonstrar como os governos do Partido dos Trabalhadores fortaleceram o combate à corrupção e fizeram uma revolução na educação.

Haddad colocou o “Boa noite, presidente Lula” no Jornal Nacional, apesar das reiteradas recusas da Rede Globo em cobrir as manifestações a favor da liberdade de Lula (e em cobrir a campanha de Lula nas ruas, diga-se de passagem). Haddad falou sobre suas inúmeras conquistas quando ministro da Educação, e afirmou que foi “o ministro mais bem avaliado do governo mais bem avaliado da história. O ProUni fomos nós que criamos, 126 cidades brasileiras receberam universidades federais, 214 cidades receberam escolas técnicas. Nós construímos mais de 1.500 creches, compramos mais de 37 mil ônibus escolares com o programa que eu criei chamado Caminho da Escola. Não existe um município do Brasil que não tenha recebido algum benefício do Ministério da Educação”.

Interrompido por 62 vezes ao longo de pouco mais de 28 minutos de entrevista, Haddad enfrentou 19 minutos voltados exclusivamente para acusações sobre corrupção, denunciou a indústria de delações premiadas em voga no país, e afirmou que a Globo condena sem provas, ainda que ela própria seja investigada em uma série de inquéritos. Bonner afirmou, com ironia, que investigações contra a Globo não são de interesse popular. Haddad, então, apontou que a Globo goza de concessão pública e que, portanto, as denúncias que a envolvem são de interesse público, sim.

Haddad deixou nítido: “há dois tipos de governos quanto a isso. Um governo que fortalece os mecanismos de combate à corrupção e outro que os enfraquece. Os governos do PT foram os que mais fortaleceram os organismos que combatem a corrupção”. Haddad lembrou ainda que a corrupção na Petrobras não é recente, é histórica, mas que só foi descoberta pelos mecanismos de combate à corrupção criados pelo PT. “A corrupção na Petrobras, ela data de tempos da ditadura militar, de muito tempo. Se você não fortalece os mecanismos que combatem, você não descobre a corrupção. O papel do governo é fortalecer esses organismos”. Bonner disse, ainda, que o Brasil cresceu no ranking de combate à corrupção. Entretanto, o jornalista se esqueceu de dizer que foi graças a medidas aprovadas pelo PT, como lembrou Haddad.

Haddad ainda fez a Globo engolir as falas do próprio PSDB: Tasso Jereissati, ex-presidente tucano, admitiu que seu partido errou ao questionar o resultado das urnas e ao se voltar contra os próprios princípios para tirar o PT do poder. Segundo o tucano, essas ações acabaram por sabotar o país.

Haddad finalizou a entrevista falando ao povo brasileiro: “Eu tenho certeza que todos que estão me ouvindo se lembram dos doze anos de normalidade democrática que nós vivemos no país. Era Luz pra Todos, era universidade pra todos, era ProUni, eram universidades no interior, eram escolas técnicas no interior, era transposição do São Francisco, era Transnordestina. Geramos 20 milhões de empregos em doze anos, na iniciativa privada e no serviço público. Doze anos de normalidade democrática. A partir do momento que a oposição passou a contestar o resultado das urnas, nós passamos a enfrentar essa crise, da qual nós podemos sair em outubro deste ano, se nós recuperarmos o projeto que vinha dando certo: desenvolvimento econômico com inclusão. O povo é parte da solução, o povo não é problema. Vamos fazer o país ser feliz de novo, vote 13″.