20 de agosto de 2018

O candidato à presidência pelo Partido dos Trabalhadores, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, recebeu, na manhã desta segunda-feira (20/08), as visitas da senadora Gleisi Hoffmann, presidenta nacional do PT, e de Fernando Haddad, porta-voz de Lula e candidato a vice na chapa petista. Essa foi a primeira visita dos advogados do presidente depois da decisão da ONU, que exige que o Estado brasileiro garanta o direito de Lula participar das eleições, incluindo todas as prerrogativas de um candidato, como participar dos debates, entrevistas e programa eleitoral. 

Após a visita, Haddad afirmou que Lula está muito animado com a decisão da ONU, que considera histórica. “Nossa mobilização para garantir a presença de Lula na disputa presidencial vai aumentar com os organismos internacionais. Todos os jornais internacionais deram a decisão, enquanto localmente, ela foi minimizada pela mídia brasileira”, disse o porta-voz.  Haddad ressaltou ser muito raro que um Estado desafie as Nações Unidas. A decisão da ONU tem caráter obrigatório e vinculante com relação ao sistema jurídico. “Essa decisão da ONU é para a garantia do regime democrático”, disse.

Gleisi também mencionou a questão da ONU e disse que o PT vai lutar para que a determinação seja cumprida pelas autoridades brasileiras a fim de resgatar o processo político eleitoral brasileiro. “Não é pouca coisa o que a ONU decidiu e determinou ao Brasil, que é garantir a candidatura do presidente Lula e garantir que ele faça todos os atos relativos a sua campanha eleitoral. A democracia do Brasil está sendo observada pelo mundo, nós não podemos deixar de maneira nenhuma que essa democracia seja ferida de morte”. Em relação aos debates, Gleisi garantiu que o PT vai pedir que Haddad possa participar dos próximos, caso Lula não tenha a oportunidade de estar presente.

Nesta terça-feira (21/08), Haddad viaja para o nordeste e, até sábado (25/08), deve passar pela Bahia, Sergipe, Paraíba, Rio Grande do Norte e Maranhão, discutindo o Plano Lula de Governo e levando apoio do presidente Lula a governadores aliados, como fez na última sexta-feira (17/08) no Piauí. “Temos aí uma oportunidade de colocar a campanha na rua, o nome do Lula na campanha, o seu apoio para esses governadores e levar ao conhecimento das pessoas essa determinação e o Plano Lula de Governo”, finalizou Haddad.